Publicado por: Roger Stein | 09/10/2010

Fidel Castro: Nenhum povo foi mais caluniado que os judeus


Ele se expressou em uma entrevista na qual opinou sobre temas de grande relevância na atualidade.

Fidel Castro

HAVANA – “Não creio que alguém tenha sido mais caluniado que os judeus” refletiu Fidel Castro em uma entrevista concedida a um jornalista norte-americano, na qual falou, entre outras coisas, sobre Irã, Israel e Estados Unidos, sua percepção sobre os judeus e o antissemitismo.

“Castro iniciou nosso primeiro encontro contando-me que havia lido meu artigo e que este confirmava sua opinião de que Israel e Estados Unidos se dirigiam precipitada e gratuitamente a um enfrentamento com o Irã. Esta interpretação não é de se surpreeender: Castro é o avô do anti-americanismo global e tem sido um duro crítico de Israel. Sua mensagem a Binyamin Netanyahu, o primeiro-ministro israelense, disse, era simples: Israel somente terá segurança se renunciar o seu arsenal nuclear, e o resto das potências nucleares do mundo somente terão segurança se elas também renunciarem as suas armas.

Mas a mensagem de Castro a Mahmoud Ahmadinejad, o presidente do Irã, não foi tão abstrata. Ao largo desta primeira conversa de cinco horas, Castro repetidas vezes voltou a sua crítica ao antissemitismo. Criticou muito a Ahmadinejad por negar o Holocausto e explicou que para o governo iraniano seria mais útil à causa da paz se reconhecesse a história “única” do antissemitismo e tratasse de entender o porquê os israelenses temem por sua vida.

Começou seu discurso descrevendo seus primeiros encontros com o antissemitismo, mesmo sendo ainda um menino. “Recordo-me de quando era pequeno – há muito tempo – quando tinha cinco ou seis anos, e vivia no campo”, disse, “e lembro da Sexta-Feira Santa. Que clima respirava um menino? ‘Silêncio, Deus foi morto’. Deus morria todos os anos entre a quinta-feira e o sábado da Semana Santa, e isso deixava uma profunda impressão em todos. O que aconteceu? E me diziam: ‘Os judeus mataram Deus’. Culpavam os judeus de matarem Deus! Você se dá conta disso?”

E prosseguiu: “Pois bem, eu não sabia o que era um judeu. Conhecia um pássaro que era chamado judeu e então, para mim, os judeus eram esses pássaros. Essas aves tinham um grande nariz. Nem sequer sei por que os chamavam assim. Isso é o que me recordo. Assim, de ignorância, e o mesmo ocorria com toda população.”

Explicou que o governo iraniano devia entender as consequências do antissemitismo teológico. “Isso durou cerca de dois mil anos”, disse. “Não creio que alguém tenha sido mais caluniado que os judeus. Eu diria que muito mais que os muçulmanos, porque os culpam e os difamam por tudo. Aos muçulmanos de nada os culpam.” O governo iraniano deveria compreender que os judeus “foram expulsos de sua terra, perseguidos e maltratados em todo o mundo, por serem os que mataram a Deus. Ao meu ver, isso é o que aconteceu: seleção inversa. O que é seleção inversa? Ao longo de dois mil anos, foram submetidos a uma terrível perseguição. Poderia haver quem supusesse que desapareceriam. Creio que sua cultura e sua religião os mantiveram unidos como nação. Castro continuou: “Os judeus tem levado uma vida muito mais difícil que a nossa. Não há nada que possa se comparar ao Holocausto.” Perguntei-lhe se diria a Ahmadinejad o que estava me dizendo. “Digo isso para que você possa comunicá-lo”, respondeu.

Siga-me no twitter.

Castro então, passou a analisar o conflito entre Israel e Irã. Disse entender os temores iranianos ante a uma agressão de Israel e Estados Unidos e agregou que, pelo seu modo de ver, as sanções americanas e as ameaças israelenses não dissuadiriam a dirigência iraniana de intentar possuir armas nucleares. “O problema não vai se resolver porque os iranianos não vão retroceder ante as ameaças. Essa é mina opinião”, assinalou. Logo destacou que, a diferença de Cuba, Irã é um “país profundamente religioso” e disse que os líderes religiosos estão menos dispostos a fazerem concessões.”

No final da entrevista, Fidel demostrou que realmente estava semi-retirado. O dia seguinte era segunda-feira, quando se supõe que os máximos líderes estejam ocupados trabalhando sem a ajuda de suas economias, prendendo dissidentes e coisas desse estilo. Mas, a agenda de Fidel estava aberta. Perguntou-nos: Gostariam de ir ao aquário comigo e assistir o espetáculo com golfinhos?”

Não estava seguro de haver entendido bem. E isso ocorreu várias vezes, durante minha visita. “O espetáculo com golfinhos?”

“Os golfinhos são animais muito inteligentes”, disse Castro.

Fidel, Jeffrey Goldberg e Adela Dworin

Disse-lhe que tínhamos uma reunião programada para a manhã seguinte, com Adela Dworin, presidente da comunidade judaica de Cuba.

“Que venha”, disse Fidel.

Alguém à mesa, mencionou que o aquário estava fechado às segundas. Fidel falou: “Amanhã estará aberto”.

E assim foi. Na manhã seguinte, bem cedo, depois de buscar Adela na sinagoga, nos encontramos com Fidel na escada do aquário. Ele deu um beijo em Dworin, não por acaso em  frente a câmeras (outra mensagem para Ahmadinejad, talvez).

Para ler a entrevista completa, acesse aqui.

Fonte: Clarín – Por Jeffrey Goldberg. Congresso Judío Latinoamericano

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: